Ator Rômulo Braga interpreta Elon e também atua como Januário, em 'Joaquim'. (foto: Vitrine Filmes/Divulgação )

Longa mineiro, 'Elon não acredita na morte', estreia nesta quinta(27/04) nos cinemas

Mariana Peixoto

Diretor que transita entre o teatro e o cinema, o mineiro Ricardo Alves Jr. realizou, há alguns anos, um trabalho com o grupo Sapos e Afogados, que alia artes cênicas e saúde mental. Foi ali que conheceu o integrante Elon Rabin. Uma frase dita por ele lhe impactou deveras. Elon disse a Alves Jr. que não acreditava na morte.

O efeito foi tão grande que a frase gerou dois filmes. O curta Tremor (2013), protagonizado pelo próprio Rabin, e o longa Elon não acredita na morte. Primeira incursão de Alves Jr. no formato, chega ao circuito comercial nesta quinta, 27 – em Belo Horizonte, nos cines Belas Artes e Paragem – no projeto Sessão Vitrine Petrobras (com ingressos a R$ 12 e R$ 6, a meia).

Curta e longa partem do mesmo mote – homem vai perdendo a sanidade enquanto procura a mulher desaparecida – e têm vários pontos em comum. Foram filmados com uma câmera na mão, que acompanha o personagem-título em lugares como hospital, delegacia, Instituto Médico Legal. O longa é, inclusive, dedicado a Elon Rabin.

INFERNO
''Elon é uma espécie de Orfeu, que desce até o inferno em busca da amada'', comenta Alves Jr. O filme estreou no circuito de festivais em Brasília, no fim de 2016. Saiu do evento no Distrito Federal com o Candango de melhor ator para Rômulo Braga, que no longa vive o papel-título. Também participou de festivais no exterior, com destaque para o de Roterdã, na Holanda.

Assim como outra produção recente de BH – A cidade onde envelheço, de Marília Rocha, que abriu a temporada da Sessão Vitrine – Elon não acredita na morte é um filme de locação. Foi filmado no Baixo Centro na cidade, ''a região onde moro e passeio, então traz as paisagens que habito'', acrescenta o diretor.

A principal locação é a antiga Faculdade de Engenharia da UFMG. O prédio, desocupado durante as filmagens (outubro de 2015), serviu tanto como cenário para o IML, como uma delegacia, além do local de trabalho de Elon (que é vigia noturno).

Em busca da mulher, Madalena (Clara Choveaux), ele se encontra com pessoas que convivem com ela. Um dos apartamentos é no conjunto IAPI, no bairro São Cristóvão, outro no edifício Itatiaia, na Praça da Estação.

A câmera de Matheus Rocha está sempre acompanhando muito de perto o personagem, que caminha por corredores e lugares escuros. Em boa parte das cenas, Elon está de costas. “Minha ideia é que a câmera o seguisse na direção em que ele está”, diz Alves Jr. O personagem está em todas as cenas do longa.

CLAUSTROFOBIA

O clima, propositalmente, é claustrofóbico. O espectador não tem qualquer respiro, acompanhando sempre de perto a ''descida aos infernos'' do personagem. ''O caminho que fiz para este filme foi muito diferente da que fiz nos curtas (ele ainda dirigiu Material Bruto (2006), Convite para jantar com o Camarada Stalin (2007) e Permanências (2010). Houve uma investigação para o trabalho da dramaturgia para construir este thriller sobre um cara que vai enlouquecendo em busca da mulher'', completa.

O próximo projeto de Alves Jr. segue tema semelhante. Em A professora de francês (o papel será de Grace Passô) ele vai contar a história de uma personagem que fica presa numa teia de aranha por causa de questões sociais.

CAMPO DE ESTUDOS

Durante a elaboração de Elon não acredita na morte Ricardo Alves Jr. convidou e desconvidou o ator Rômulo Braga algumas vezes. O OK final só veio duas semanas antes do início das filmagens.

Para o intérprete, isto não representou um problema. ''Eu conhecia bastante o roteiro. Um ano e pouco antes de o Ricardo filmar, participei de uma leitura do texto no projeto Janela de Dramaturgia. Naquele momento me apaixonei pelo roteiro'', conta Braga.

A relação do diretor e do ator é muito próxima. Alves Jr. dirigiu Braga em 2014 na montagem Sarabanda, adaptação para o teatro do filme Saraband, de Ingmar Bergman. No espetáculo, o diretor dividiu a função com Grace Passô, que faz uma participação em Elon não acredita na morte.

Também em pequenas participações podem ser vistos Eduardo Moreira, do Grupo Galpão, Germano Mello (Aquarius) e o cartunista e ator Lourenço Mutarelli. Clara Choveaux, atriz franco-brasileira revelada em Tirésia (2003, de Bertrand Bonello), foi escolhida por Alves Jr. depois que ele a conheceu em Exilados do vulcão (2013), de Paula Gaitán.

Uma cena de sexo quase explícito (o filme recebeu classificação etária de 18 anos) entre Elon e Madalena mostra o nível de tensão do protagonista. ''O Ricardo tem uma relação muito forte com o teatro. Como já havíamos trabalhado juntos, a comunicação sobre cada cena foi bastante clara. Foi tudo muito estudado, não havia aquela de 'sentir a energia para fazer acontecer''', conta Braga.

MISTÉRIO

A cena de sexo, de acordo com o ator, foi ''simples e objetiva'', realizada com dois ou três takes. ''Não houve nenhum grande mistério, e a Clara foi muito parceira neste sentido.''

Braga nasceu em Brasília, mas mudou-se aos 16 anos (está com 40) para Belo Horizonte. Sua trajetória está muito ligada ao teatro. Atuou em espetáculos dos grupos Intervalo, Cia. Lúdica dos Atores e Luna Lunera.

O cinema veio com Mutum (2007, de Sandra Kogut). ''Sempre foi um sonho secreto, que eu tinha vergonha de admitir. Achava que o cinema era uma coisa distante. Quando peguei o papel no filme da Sandra (adaptação de Guimarães Rosa) caí de paraquedas neste mundo. E, para mim, o cinema se tornou um campo de estudos muito interessante para o ator. Descobri que poderia imergir numa vida num tempo muito curto, três meses no máximo, e depois não precisaria mais fazer aquele personagem'', acrescenta Braga.

Aos poucos, o cinema tem se aproximado dele. O ator integrou o elenco de Sangue azul (2014, de Lírio Ferreira, que lhe valeu o prêmio de ator coadjuvante no Festival do Rio. Está em cartaz ainda em Joaquim, de Marcelo Gomes. No longa sobre Tiradentes muito antes de ele se tornar o mártir da Inconfidência Mineira, ele é Januário. ''Joaquim tem um pequeno grupo de amigos que retratam as diferentes classes sociais. Meu personagem é aquele que representa o lado mestiço, que nunca vai ter uma oportunidade na vida.''

Nesta semana, Braga terminou de filmar, em BH, o longa Sonâmbulos, de Tiago Mata Machado. Agora, volta ao teatro. Atualmente ensaia espetáculo com o grupo Pigmaleão, de teatro de bonecos.

UAI
http://www.uai.com.br/app/noticia/cinema/2017/04/27/noticias-cinema,205752/longa-mineiro-elon-nao-acredita-na-morte-estreia-nesta-quinta-27.shtml

Outras Notícias

‘Homem-Formiga e Vespa’: Novo trailer internacional está cheio de trechos inéditos; Assista!

Thiago Muniz‘Homem-Formiga e a Vespa’ ganhou novo trailer internacional. Confira:O Reino Quântico que ...

Ator de ‘X-Men: Fênix Negra’ alfineta Marvel Studios: “Sempre fazem a mesma coisa”

Thiago MunizDurante uma nova entrevista ao Collider, o ator Tye Sheridan deu mais detalhes de ‘X-...

‘O Mecanismo’: Série sobre a Lava-Jato estreia na Netflix; Confira nossa crítica!

Rafaela GomesA câmera passeia por uma pilha de papéis em uma mesa de madeira, um cinzeiro de vidro reflete uma série ...

Filme solo do ‘Coringa’ pode mudar drasticamente a história de origem do personagem

 Nefferson TaveiraRumores apontam que o próximo filme solo do Coringa irá mudar sua história de origem...